Início
NOTÍCIAS
24/09/2019
Tribuna Livre faz prévia de Audiência Pública que vai discutir depressão
Câmara Municipal de Cuiabá
A enfermeira Maria Aparecida Milhomem, da Equipe Técnica de Coordenação de Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde, utilizou o espaço Tribuna Livre na sessão ordinária desta terça-feira (24) para relatar as condições atuais que a rede municipal de saúde dispõe para atender aos casos de transtorno mental, fator destacado que leva ao cometimento de suicídios.

A profissional compareceu ao Legislativo Municipal a convite do vereador Toninho de Souza (PSD). Toninho justificou como a prévia de um debate que vai ocorrer no próximo dia 30 (segunda-feira, a partir das 9h, no Plenário da Câmara), em uma Audiência Pública que vai debater a necessidade de “tratamento, prevenção e acolhimento” às pessoas que apresentam quadro de depressão.

O vereador disse que é preciso mostrar à sociedade que a rede pública municipal já tem um encaminhamento para o tratamento do transtorno mental. “Reconheço, porém, que existem carências, sobretudo, quanto à depressão”, alertou.

Ele salientou que propôs a Audiência Pública com o intuito de exigir do poder público a implantação de uma linha de atuação para o atendimento dos casos de depressão e de doenças correlacionadas, como o autismo, hiperatividade e outras. “O município já dispõe de profissionais capacitados e estrutura para ao menos começar esse trabalho”, disse Toninho.

A enfermeira explicou que os quadros classificados como alteração da saúde mental, desde há pelo menos 20 anos, vem passando por uma adequação, no Brasil, que envolve a adoção de nova metodologia de tratamento.

Com isso os tradicionais locais de internação – como o Hospital Adauto Botelho – vão sendo substituídos por outros espaços, na intenção de tornar o tratamento mais humanizado. “O confinamento de pacientes, já está provado, mais complica do que ajuda no tratamento, porque afasta o indivíduo do convívio familiar e social”, revelou Milhomen.

Os quadros classificados como problemas mentais, observou a palestrante, estão, geralmente, relacionados ao uso de álcool e outras drogas e são caracterizados como agravos à saúde mental e têm ligação direta à maioria dos casos de suicídio. 

TRATAMENTO – Em Cuiabá, conforme relatou Milhomen, está em funcionamento a RAPS (Rede de Atenção Psicossocial) – programa co-financiado pelo governo estadual - que dispõe de 5 Caps (Centros de Atenção Psicossocial), locais onde funcionam serviço que dá assistência às pessoas adultas com transtornos mentais severos ou pessoas em uso ou abuso de álcool e outras drogas seis residências terapêuticas, casas de moradia destinadas a pessoas com transtornos mentais impossibilitadas de retornar às suas famílias de origem ambulatórios de saúde mental, sendo quatro adultos e um infantojuvenil, que funcionam nas policlínicas.

Além disso, planeja-se a construção de duas unidades de acolhimento. Um serviço inovador no tratamento dos transtornos mentais, conjuntamente, a possibilidade de reestruturar o prédio do antigo Pronto Socorro criando entre 12 e 15 leitos de observação de pacientes.

Hoje o que mais falta no estado como um todo e não só em Cuiabá, é um hospital geral voltado para o atendimento dos pacientes com transtorno mental. Nesse quesito, Mato Grosso é o único estado do Centro Oeste que não dispõe de hospital generalista e, inclusive, fere legislação federal que estabelece a obrigatoriedade da existência de pelo menos uma dessas unidades em cada ente federado.

A ampliação da rede de atendimento a pacientes que apresentam quadro de transtorno mental é essencial para o propósito da Audiência Pública, pois, conforme sustentam diversos estudos, 90% dos suicidas não procuraram atendimento especializado.

A questão é bastante complexa, contudo. Além das dificuldades inerentes aos quadros que se compõem de sintomas semelhantes, dificultando diagnóstico e tratamento, acrescentam-se estigmas solidificados na sociedade, que ao longo da história desenvolveu o costume de afastar e até mesmo encarcerar as pessoas que manifestam comportamento fora do padrão social.

Etevaldo de Almeida | Câmara Municipal de Cuiabá



Imprimir Voltar Compartilhar:  




+ Notícias
27/02 - Vereadores aprovam requerimentos para realização de sessões solenes
27/02 - Câmara de Cuiabá inaugura revitalização do Arquivo Geral Vereador Clóvis Hugueney Neto
27/02 - Sala da Mulher discute programação para março mês das mulheres
27/02 - Lei do Silêncio será tema de audiência pública na Câmara de Cuiabá
27/02 - Mesa Diretora realiza sessão solene em homenagem as servidoras da Câmara
27/02 - Vereador Luís Claudio divulga folheto com dicas de segurança para o carnaval
22/02 - Nota de Pesar |Hermenegilda Siqueira Silva
21/02 - Arquivo Geral receberá nome do Vereador Clóvis Hugueney
21/02 - ONG faz do apito arma contra importunação sexual no Carnaval
21/02 - Vereador Renivaldo Nascimento realiza atendimentos externos
21/02 - Dr. Xavier: "Nova ponte do Taquaral {Terra Vermelha} é conquista nossa em prol dos produtores familiares"
SESSÃO AO VIVO
INFORMES
Praça Moreira Cabral - Centro - s/n - Cuiabá-MT - CEP 78020-010 - Fone: (65) 3617-1500
Desenvolvimento: Secretaria de Comunicação - Todos os direitos reservados © 2018
O horário de atendimento ao público é de segunda a sexta-feira das 7:00hs às 18:00hs.